segunda-feira, setembro 15, 2008

Um comentário meu em um Blog local.

Concordo plenamente com você, quando fala que "[...] os sergipanos reclamam de barriga cheia. Queixam-se que em Aracaju não aportam bons espetáculos, mas, na verdade, eles é que não valorizam as atrações que passam por aqui." e ainda acrescento que nem os que passam e muito menos os que estão aqui. A população aracajuana não valoriza o chão que pisa, as suas raizes. Sou Pernambucano de Recife,morei alguns anos em Salvador e já estou a 6 anos na terra do caranguejo e fico muito triste com o aspecto cultural desta cidade. Vale lembrar que a cena cultural em Aracaju está crescendo e ganhando força, não só a cultura popular como também a erudita (linhas de pesquisa em dança e teatro). Fiquei muito feliz com a re-estréia de "Senhor dos Labirintos" do Grupo Imbuaça, no Teatro Atheneu, casa lotada(praticamente por convidados e personalidades), mas não vi quase ninguém no Teatro Tobias Barreto no sábado 14/09 para assitir o Grupo Primeiro Ato,de Belo Horizonte, apresentando "Geraldas e Avencas" com trilha do magnifico Zeca Baleiro. O Teatro estava vazio, se pudesse colocar todos que estavam lá no setor central da platéia não ocupava todas as poltronas. Quem não foi perdeu um belo espetáculo.
A Secretária de Cultura do Estado promove a 2 anos a "Semana Sergipana de Dança" com grupos locais e infelizmente quase não tem público, salvo pais e amigos dos grupos presentes. Neste ano,a Noite que mais o público cmpareceu, foi n 3º noite de evento (sábado), onde a CUBOS COMPANHIA DE DANÇA apresentou seu trabalho, que infelizmente não pôde estrear em Aracaju e dias antes a fez a Convite do 5º Fórum de Dança em São Paulo. (tática usada para divulgar o espetáculo no próprio berço).
Um ponto também eu acho importante lembrar são os produtores locais. Eles (não digo todos) falam que a qualidade dos trabalhos pesquisados e apresentados por artistas sergipanos são de qualidade, mas "choram" para o artista baixar o valor do cachê e acabam trazendo outros artistas, como por exemplo, de Salvador e Recife, por um cachê um pouco menor, mas tendo que "correr atrás" de patrocinio para pagar as despesas com passagem, hospedagem, alimentação e transporte local, encarecendo a produção.
Se os próprios produtores locais não buscam acordos com os artistas locais, como um grupo da "terra" pode ter espaço? Como o sergipano pode ter trabalhos de qualidade e parar de "Queixar-se que em Aracaju não aportam bons espetáculos,[...]".Fica a dica para os produtores locais, para a imprensa e para o público em geral, observem mais o seu espaço, suas possibilidades que todos saem ganhando.
Link do Blog onde postei o comentário - Suyene Correia

Um comentário:

Kleverton disse...

Sabe,

existe alem da falta de interesse do Aracajuano, pelo que é local, uma enorme falta de divulgação!

Moro em Aracaju e só agora, lendo no seu blog que soube desses eventos.

Os produtores, não só devem ficar atraz de patrocinio, mas tambem devem correr atraz dos meios de comunicação pra que se faça saber!

Mudando um pouco o foco, acredito que sejá da cultura local, reclamar da cidade! Muito desses o fazem por não conhecer a realidade de cidades como o Rio, Sampa e por ai vai! Morei quase 5 anos no Rio e hoje vivo parte do tempo em Salvador, mas é na paz de Aracaju, que eu descanso!

Abração Rodolpho!